PUTINGA - Hospitais suspendem atendimento pelo SUS e deixam municípios em situação complicada

06/12/2018 | Municipio de Putinga

A crise no Sistema de Saúde do Estado entrou em colapso e os hospitais que são referência para os pequenos municípios cancelaram definitivamente os atendimentos. O que é o caso do Hospital Ouro Branco de Teutônia e o Hospital de Pronto Socorro de Canoas que são referência para o município de Putinga.
A Secretária de saúde Deise de Bona lamenta profundamente a situação, mas os hospitais foram obrigados a suspender os atendimentos, porque o Estado tem uma dívida enorme e não tem pago os hospitais. Desta forma eles foram obrigados a parar com os atendimentos que são referências do SUS, deixando milhares de pacientes sem atendimento. Uma situação lamentável que está prejudicando muitas pessoas e o município não sabe o que fazer para solucionar o problema. As especialidades que foram suspensas são traumatologia, bucomaxilo, otorrino, proctologista e vascular.
Nenhum atendimento está sendo realizado, nem de emergência, nem eletiva, cirúrgicos, muito menos as consultas, até os exames que estavam agendados foram desmarcados, e isto causou um transtorno muito grande e não tem onde encaminhar os pacientes que precisam, queremos que a comunidade tenha paciência que na medida que abrir vagas, vamos encaixar, mas no momento está tudo parado, falou Deisi.
Nem os casos mais graves ou emergências estão atendendo, porque as entidades não querem aumentar o endividamento. O município de Putinga e recebeu o comunicado dos dois hospitais tanto de Teutônia quanto de Canoas, suspendendo oficialmente os atendimentos estamos ansiosos, aguardamos que o governo pague pelo menos parte desta dívida para que possamos restabelecer os agendamentos das consultas e cirurgias que estavam previstas.
O Hospital Dr. Oscar Benévolo Putinga não recebe o repasse do Governo Estadual a cinco meses e isso compromete o desempenho dos trabalhos, sem contar que acumula contas a pagar. Tratando-se de hospital de pequeno porte mesmo o valor médio sendo de r$ 10 mil reais mensais, faz uma grande diferença, destacou a Secretária Deisi.
Os pacientes que possuem planos de sáude, continuam sendo atendidos de forma normal.



Mais imagens:
Topo